Seguidores

..

sábado, 15 de dezembro de 2012

CARRO ANTIGO. Além da Imaginação.


"Poderia o espírito de alguém que partiu permanecer "conectado" à algo que "amava muito" quando vivo?" Segundo o relato a seguir, isso realmente é possível! ================================================================================= A um tempo atrás eu comprei um carro antigo. Não é velho, é antigo. Um Dodge Dart. Era o meu sonho arranjar um desde que eu vi um passando na rua de casa, com aquele motor forte fazendo aquele barulho potente. Eu juntei o dinheiro e fui atrás de um. Não foi fácil achar, mas eu finalmente achei um do jeito que eu queria e comprei. A viagem para casa foi uma maravilha, o carro não tava 100%, mas tava muito bom. Ronronava feito um gatinho. Mas tinha alguma coisa para arrumar. Depois de uma semana já tinha ido para o mecânico disso e mecânico daquilo e a parte mecânica do carro tava toda restaurada, uma maravilha! Era girar a chave que o bicho ligava! E lá fui eu trabalhar com o meu Dojão! Eu acordei cedo e estava indo para o trabalho, sozinho no carro. Na metade do caminho, eu estou olhando para frente e resolvi dar uma espiada rápida no espelho retrovisor. No que eu bati o olho eu pisei no freio. Levei um susto. Tinha um cara no banco de trás. Assim que o carro parou eu abri a porta e pulei pra fora. No que eu olho para o banco de trás, nada. Vazio. Sem ninguém. Eu me senti um idiota. Achei que provavelmente devia ter alguma mancha no retrovisor, mas quando eu entrei no carro e olhei para o retrovisor, não tinha nada, nem uma manchinha. Estava impecável. Eu achei que devia ser o sono. Simplesmente fechei a porta e tentei ligar o carro. Nada. Virava a chave, nada. Só aquele nheco nheco nheco de carro antigo tentando pegar. Eu achei estranho, porque até aquele momento o carro nunca teve problemas para pegar. Eu girei a chave de novo e nheco nheco nheco. Nada do carro pegar. Depois de muito tempo tentando fazer o carro pegar eu desisti e chamei um guincho, para a minha frustração. O Guincho chegou, pegou o carro e levou até a minha casa, onde eu peguei o meu outro carro, mais novinho, e fui trabalhar. Passei o dia inteiro pensando o que poderia ter acontecido. Quando eu cheguei em casa, a primeira coisa que eu fui fazer, foi ir mexer no carro. Eu entrei nele, coloquei a chave na ignição e girei. O barulho daquele enorme motor ligando foi imediato. Pegou sem problema nenhum. Eu achei muito estranho, mas já que tava funcionando, para que me preocupar? Resolvi dar uma voltinha com ele só para ter certeza. Sai e depois de uma hora eu voltei. Estava funcionando 100% de novo. No dia seguinte eu ia trabalhar com ele. De manhã eu tomei o café feliz da vida. Peguei as minhas coisas, coloquei no carro, abri o portão, entrei no carro e liguei ele. O motor pegou na hora! Eu comecei a manobrar o carro para tirar ele da garagem. Tudo numa boa, quando o carro tava lá fora eu fui brecar para ir fechar o portão. Mas o carro não brecou. Eu pisei no freio e o carro foi andando. Pisei de novo e nada. Eu afundei o pé no freio e o carro continuou em frente. Acabou que o carro bateu (bem de leve) no muro da casa da frente, e só brecou por causa disso. Eu fiquei "P" da vida! Como é que o carro perdeu o breque da noite para o dia? Eu empurrei o carro para a garagem (o que não foi nada fácil) peguei o meu outro carro e fui trabalhar. Quando voltei já liguei para o mecânico que tinha visto os freios e falei para ir me encontrar em casa. Ele chegou lá, deu uma olhada no carro entrou nele e falou para mim empurrar aquele monstro para testar o breque. Assim que ele pisou no pedal, o carro parou. Novo teste e a mesma coisa. Ele ligou o carro, engatou a primeira e foi em frente. Quando ele pisou no freio, o carro parou na hora. Eu não sabia o que dizer. Bem, o mecânico foi embora e eu resolvi deixar o carro na garagem até arrumar o amassado que tinha feito na frente. Quando eu estava indo para a cama eu resolvi dar uma ultima olhada no meu garotão. Fui até o banheiro e quando eu olhei pela janela, vi alguém em pé do lado da janela do motorista com o tronco para dentro do carro. Eu entrei em pânico. Não tinha o carro não fazia nem um mês e já queriam me roubar ele! Eu acendi as luzes da casa e desci correndo. Quando eu cheguei lá, nada. A janela estava fechada e não tinha sinal de alguém ter estado lá. Eu achei que realmente devia estar precisando dormir. No final de semana fui levar o carro no funileiro para arrumar o amassado. Fui até lá sem problemas. Ele falou que no próximo sábados estaria pronto. Eu fui para casa e esperei ansiosamente a semana passar. No sábado lá fui eu todo alegre pegar o Dojão. Cheguei lá e lá estava ele, todo arrumado, pintura brilhando, impecável! O funileiro me deu a chave e eu fui para casa com o meu carrão. Ele se comportou durante quase um mês sem dar problema nenhum, mas nada dura para sempre. Uma noite eu resolvi sair com ele para passear. Quando eu sai de casa e olhei para ele, deu para ver alguém sentado no banco de trás dele. Eu já achei que era ladrão de novo. Eu fiquei olhando de longe para ver se era alguém mesmo. Parecia ser uma pessoa. Só que quando eu estava olhando um ônibus passou na rua, e eu consegui ver o ônibus através da pessoa que estava lá dentro! Aquilo me fez um gelo subir a coluna. Quando a rua ficou escura de novo, a figura tinha sumido. Eu cheguei perto do carro e nada. Ninguém lá dentro. Eu achei que devia ter visto o reflexo de algo e me acalmei. Entrei no carro, liguei ele e saí numa boa. Mas eu estava com uma sensação estranha de que eu ia ter problemas. Mas mesmo assim eu sai com o carro. Eu estava indo pegar um amigo quando de repente o carro desliga na metade do caminho. Não o motor, mas o carro inteiro. Toda a parte elétrica dele. Não acendia luz nenhuma. Mas o freio funcionou dessa vez. Eu parei o carro e tentei ligar ele de novo. Nada. Nenhum barulho. Abri o capô achando que algum fio da bateria podia ter soltado, mas não tinha nada de errado lá. Estava tudo como deveria estar. Eu voltei, girei a chave e nada. Eu já tava começando a ficar desesperado de novo. Eu encostei no banco e tentei relaxar. Quando eu olho no espelho lateral, eu vi o que parecia ser alguém (não deu para ver direito, a rua estava escura) encostado no carro, quase sentado no porta-malas. Eu abri a janela e coloquei a cabeça para fora para mandar desencostar do carro, mas quando eu olhei lá pra trás, não tinha mais ninguém. Foi ai que eu comecei a achar que o carro era assombrado. Eu já tinha ouvido falar de casa assombrada, mas carro? Essa era nova para mim. De novo eu tive que chamar o guincho novamente. Eu deixei o carro em casa, peguei o meu outro carro e sai. Quando eu voltei eu resolvi fazer um teste. Peguei a chave do Dojão, entrei nele, coloquei a chave no contato e girei. E aconteceu exatamente o que eu achava que ia acontecer. O carro pegou. Todas as luzes acenderam, o farol, luz de dentro, painel, tudo. Eu pensei que aquilo já era demais. Não podia continuar daquele jeito. Eu tinha que dar um basta. Me sentindo muito idiota eu falei em voz alta: - Olha, eu não sei quem você é, mas esse carro é meu agora. Eu comprei ele. Se você está preocupado que eu possa estragar ele, não precisa se preocupar, eu vou cuidar muito bem dele. Só me deixa em paz. Depois que eu falei isso, ele nunca mais deu problema nenhum. Nunca tive que chamar guincho de novo e até hoje não levei no mecânico de novo também. Ele acabou ficando mais confiável que o meu outro carro. www.alemdaimaginacao.com Jarbas - São Paulo - SP - Brasil

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...