Seguidores

..

domingo, 24 de novembro de 2013

O Senhor Palha.


O Sr. Palha era um homem sozinho, não tinha casa, nem mulher, nem filhos. Era tão pobre que só tinha roupa que trazia vestida. Mal tinha o que comer e era tão magro como um fiapo de palha. Era por isso as pessoas chamavam-lhe Sr. Palha. Todos os dia o Sr. Palha ia rezar ao templo. Pedia melhor sorte à Deusa da Fortuna, até que um dia ouviu uma voz sussurrar “a primeira coisa que tocares quando saíres do templo vai trazer-te grande fortuna”. Assustado, olhou em volta mas viu que o templo estava vazio. Pensou se estaria louco, ouvindo vozes ... e concluío que tinha sonhado. Mas mesmo assim, com alguma esperança, resolveu correr para a rua. Nisto tropeçou e rebolou pelos degraus do tempo até à rua. Quando se ia a levantar reparou que tinha um fiapo de palha na mão e ao lembrar-se da voz que ouvira, mesmo pensando que não valia nada resolveu guarda-lo. E lá seguiu caminho segurando o seu fiapo de palha. Pouco depois apareceu uma libélula zumbindo à volta da sua cabeça. Tentou espantá-la, mas não adiantou. A libélula continuava à volta dele. Então pensão "está bem, se não queres ir embora então fica comigo". Apanhou a libélula, amarrou o fiapo de palha ao rabo dela e continuou a descer a rua. A caminho do mercado, encontrou uma florista com o filhinho. Vinham de muito longe. O menino estava cansado, suado e todo empoeirado, mas quando viu a libélula zumbindo amarrada no fiapo de palha, seu rostinho se animou: - Mãe, me dá uma libélula? por favor! Assim o Sr Palha, com pena do menino, deu-lhe a libélula no fiapo - É muita bondade sua! - disse a florista - Não tenho nada para lhe dar em troca além de uma rosa. O Senhor Palha agradeceu e continuou seu caminho, levando a rosa. Andou mais um pouco e viu um jovem sentado num toco de árvore, segurando a cabeça entre as mãos. Parecia tão infeliz que o Sr Palha lhe perguntou o que havia acontecido. - Vou pedir a mão da minha namorada em casamento hoje à noite, mas sou tão pobre que não tenho nada para lhe oferecer - Também sou pobre. Não tenho nada de valor, mas se quiseres podes dar-lhe esta rosa. O rapaz sorriu alegre ao ver esplêndida rosa. - Fique com estas três laranjas, por favor. É só o que posso dar em troca. O Sr Palha continuou, levando as três suculentas laranjas. A seguir encontrou um mascate, ofegante: - Estou puxando a carrocinha desde manhã. Estou com tanta sede que acho que vou desmaiar. - Acho que não há nenhum poço por aqui, mas podes ficar com estas três laranjas. O mascate ficou tão agradecido que ofereceu um rolo da mais fina seda ao Sr Palha. - O senhor é muito bondoso. Por favor, aceite esta seda em troca. E mais uma vez o Sr Palha seguiu pela rua, como o rolo de seda debaixo do braço. Ao fim de dez passos viu passar uma princesa numa carruagem. A princesa tinha um ar preocupado, mas alegrou-se ao ver o Sr Palha - Onde arranjou essa seda? É justamente o que estava à procura. Hoje é o aniversário do meu pai e quero dar-lhe um quimono real. - Já que é aniversário dele, tenho prazer de lhe dar esta seda. - O senhor é muito generoso - disse a princesa sorrindo - Por favor aceite esta jóia em troca. A carruagem se afastou, deixando o Senhor Palha segurando uma jóia de inestimável valor brilhando à luz do sol. Levou a jóia ao mercado, vendeu-a e com o dinheiro comprou uma plantação de arroz. Trabalhou muito, arou, semeou e colheu. Todos os anos a plantação produzia mais arroz. Em pouco tempo o Sr Palha ficou rico. Mas sempre ofereceu arroz aos que tinham fome e ajudava a todos que o procuravam. Muitos diziam que sua sorte tinha começado com um fiapo de palha. Mas não terá sido com a generosidade?

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...