Seguidores

..

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Moral da História.


Um açougueiro estava em sua loja e ficou surpreso quando um cachorro entrou. Ele espantou o cachorro, mas logo o cãozinho voltou. Novamente ele tentou espantá-lo, foi quando viu que o animal trazia umbilhete na boca. Ele pegou o bilhete e leu: - 'Pode me mandar 12 salsichas e uma perna de carneiro, por favor. Assinado:' Ele olhou e viu que dentro da boca do cachorro havia uma nota de 50 Reais. Então ele pegou o dinheiro, separou as salsichas e a perna de carneiro,colocou numa embalagem plástica, junto com o troco, e pôs na boca do cachorro. O açougueiro ficou impressionado e como já era mesmo hora de fechar o açougue, ele decidiu seguir o animal. O cachorro desceu a rua, quando chegou ao cruzamento deixou a bolsa no chão, pulou e apertou o botão para fechar o sinal. Esperou pacientemente com o saco na boca até que o sinal fechasse e ele pudesse atravessar a rua. O açougueiro e o cão foram caminhando pela rua, até que o cão parou em uma casa e pôs as compras na calçada. Então, voltou um pouco, correu e se atirou contra a porta. Tornou a fazer isso. Ninguém respondeu na casa. Então, o cachorro circundou a casa, pulou um muro baixo, foi até a janela e começou a bater com a cabeça no vidro várias vezes. Depois disso, caminhou de volta para a porta, e foi quando alguém abriu a porta e começou a bater no cachorro. O açougueiro correu até esta pessoa e o impediu, dizendo: -'Por Deus do céu,o que você está fazendo? O seu cão é um gênio!' A pessoa respondeu: - 'Um gênio? Esta já é a segunda vez esta semana que este estúpido ESQUECE a chave !!!' Moral da História: Você pode continuar excedendo às expectativas, mas para os olhos de alguns, você estará sempre abaixo do esperado' Qualquer um pode suportar a adversidade, mas se quiser testar o caráter de alguém, dê-lhe o poder. Se algum dia alguém lhe disser que seu trabalho não é o de um profissional, lembre-se: Amadores construíram a Arca de Noé e profissionais, o Titanic. Quem conhece os outros é inteligente. Quem conhece a si mesmo é iluminado. Quem vence os outros é forte. Quem vence a si mesmo é invencível

domingo, 23 de fevereiro de 2014

A roupa faz diferença.


Sem maiores preocupações com a roupa que veste, o médico conversava descontraído com o enfermeiro e o motorista da ambulância, quando uma senhora elegante chega e, de forma ríspida, pergunta: — Vocês sabem onde está o médico do hospital? Com tranquilidade o médico respondeu: — Boa tarde, senhora! Em que posso ser útil? Ríspida, retorquiu: — Será que o senhor é surdo? Não ouviu que estou procurando pelo médico? Mantendo-se calmo, contestou: — Boa tarde, senhora! O médico sou eu, em que posso ajudá-la?!?! — Como?!?! O senhor?!?! Com essa roupa?!?!... — Ah, Senhora! Desculpe-me! Pensei que a senhora estivesse procurando um médico e não uma vestimenta... — Oh! Desculpe doutor! Boa tarde! É que... Vestido assim, o senhor nem parece um médico... — Veja bem as coisas como são... - disse o médico - ... as roupas parecem não dizer muitas coisas, pois quando a vi chegando, tão bem vestida, tão elegante, pensei que a senhora fosse sorrir educadamente para todos e depois daria um simpaticíssimo "boa tarde!". Como se vê, as roupas nem sempre dizem muito... Moral da História: Não podemos negar que Grosseria e Arrogância derrubam qualquer vestimenta.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

VULTO NA ESCOLA, Além da Imaginação.


"Teorias citam que presenças espectrais, as quais possivelmente "vibram" em frequências diferentes das pessoas de nosso mundo, podem ser capturadas por câmeras fotográficas ou filmadoras, podendo dessa forma serem complemtamente visíveis, mostrando sua presença nos locais onde as imagens foram capturadas, mesmo não estando visíveis aos olhos humanos no local onde as fotos ou filmagens ocorreram. Será que essas misteriosas criaturas "desejam" que seus espectros sejam capturados por equipamentos eletrônicos de forma proposital, ou seria isso somente uma mera coincidência? " A Foto acima, a qual foi enviada ao "Além da Imaginação Home Page" é uma dessas estranhas provas da presença de seres invisíveis em nosso mundo! ================================================================================= A foto acima foi tirada na Escola Salesiana Dom Bosco em Manaus/Amazonas [Coordenadas GPS: Latitude / Longitude = 3° 7'35.15"S, 60° 1'35.54"W]. A mãe da Aluna Sabrina estava tirando uma foto da filha próximo à Capela da Escola, e quando ela foi ver a foto lá estava um vulto de uma mulher que aparenta possuir um manto transparente, e pode-se notar pelo seu calcanhar, que aparenta estar correndo. Observa-se que no momento da foto não havia ninguém atrás da garota. Antes da Escola ser fundada a Muitos Anos atrás haviam moradias no local. imagem "1" acima é a ampliação do vulto capturado na parte "atrás da garotinha", detalhando bem a presença de uma "mulher" que se apresenta com um vestido de tecido branco e fino, praticamente transparente, mostrando que está em movimento retilíneo em certa velocidade. Mesmo a fotografia tenha sido tirada com "baixa velocidade", provocando o "arrastamento das imagens", pode-se notar nitidamente uma presença nos fundos da foto. A imagem "2" acima é a "negativação" do detalhe da foto "atrás da garotinha", mostrando detalhes adicionais de contorno da "mulher" presente na imagem. Não foi notado nenhum tipo de montagem e nem tão pouco outro tipo de manipulação eletrônica na fotografia, e como relatado pela remetente da fotografia que não havia ninguém presente atrás da garotinha no momento da fotografia, este portanto é um registro "real" de um espectro se deslocando nas dependências da escola no momento da fotografia, mostrando que neste mundo "Nós Não Estamos Sozinhos". www.alemdaimaginacao.com Sofia Veras - Manaus - AM - Brasil

A CURIOSIDADE MATOU O GATO.


"Vale a pena arriscarmos nossa segurança somente para satisfazer uma curiosidade? Isso pode não ser uma boa idéia, principalmente quando se trata de algo sobrenatural!" O Relato a seguir é justamente sobre isso! ================================================================================= O que vou contar aqui aconteceu comigo quando eu arrumei um emprego no ano de 2002 em um shopping de São Paulo (por motivos óbvios não vou falar qual). Eu estava trabalhando na administração do shopping, que fica na cobertura. Todo dia na hora de ir embora (sempre depois das 22:00') todos os funcionários estavam cansados e todos queriam tomar o elevador até o piso térreo ou a garagem e com isso o elevador sempre ficava lotado. As vezes dava quatro viagens até todo mundo conseguir descer. Eu como sempre tive pressa, nunca esperava o elevador chegar e descia pela escadaria, mas ninguém nunca vinha comigo. Eu sempre era o único nas escadas na hora de ir embora. Eu não achava estranho, então nunca perguntei nada e ninguém nunca me falou nada. Eu só achava que estavam todos cansados demais para descer as escadas. Bom, já fazia três meses que eu estava lá e sempre na hora de ir embora, lá ia eu pelas escadas. Num certo dia eu estou descendo e escuto passos vindo lá de cima. Então eu pensei "finalmente alguém mais viu que as escadas são mais rápidas que os elevadores", e não pensei nada de mais sobre aquilo. E assim a vida continuou. Nos outros dias, eu continuei descendo as escadas e as vezes os passos apareciam. Nunca vi quem era, e nunca tinha uma hora ou dia certo, o que me fazia pensar que era alguma outra pessoa. Até que um dia eu notei que depois que eu sai das escadas e bati a porta de metal (era uma dessas portas de metal contra incêndio que sempre batem quando a gente passa por elas, fazendo um grande estrondo) ninguém saiu depois. Eu continuei andando devagar, na curiosidade de ver quem era que descia as escadas, só que ninguém saiu. Eu fui andando por toda a extensão do corredor e nada, e olha que era um corredor bem grande. Ninguém saiu. E se fosse alguém que estava indo para a garagem, teria que sair da escadaria que vinha lá de cima e entrar na escadaria que ia para a garagem, porque elas eram separadas. Aquilo me deixou curioso. Nos dias seguintes eu descia as escadas esperando os passos aparecerem para ver quem era e nada, nenhum barulho a não ser os meus próprios passos. Depois de duas semanas eu finalmente ouvi os passos na escadaria e resolvi ir mais devagar para ver quem era, só que no que eu diminuía o meu passo, o outro passo (o misterioso) começou a ir mais rápido e de repente começou a correr. No que eu ouvi o barulho do outro passo correndo, eu disparei escadaria a baixo. No que eu cheguei no piso térreo em frente à porta de saída o som do outro passo estava vindo do lance de cima, logo depois que a escada virava. Eu abri a porta e me joguei lá pra fora e sai correndo. No meu desespero nem vi o homem da limpeza. Passei por cima dele e nós dois fomos pro chão. Eu olhei para a porta fechada esperando ela se escancarar e sair alguma coisa de lá de dentro, mas nada saiu, a porta continuou fechada. O homem da limpeza era um senhor com uma idade já avançada, com os seus quase 70 anos, e era um dos funcionários mais antigos do shopping. Depois que eu sai de cima dele e o ajudei a levantar ele viu como eu estava ofegante e com os olhos arregalados olhando para a porta. E nada nem ninguém saia por ela. Ele pegou no meu ombro e falou: "Filho as escadas não são um bom lugar para você ficar brincando". Então eu falei que só estava indo embora e estava com pressa, por isso tinha descido correndo. Ele olhou no meu olho e falou: "A escadaria não é um bom lugar para você, e você não deve brincar nela". Eu perguntei porque as escadas não eram um bom lugar pra mim e ele simplesmente me olhou, soltou uma risadinha feito essas de pai de santo de televisão e falou "he he he he. Elas não são lugar para você, meu filho. Você só precisa saber disso. Agora vai pra casa. he he he". e ele continuou com a vassoura dele pelo corredor. Eu achei aquilo meio estranho e fui para casa. No dia seguinte eu estava com a coragem renovada e a curiosidade era maior que o medo. O dia todo sempre que eu tinha que descer ou subir, ia pelas escadas, só que agora elas estavam com gente subindo e descendo também. Na hora de ir embora tinha aquela multidão em frente do elevador. Eu olhei para a escada e lá estava ela, me esperando, vazia, fria, silenciosa. Então eu abri a porta coloquei a cabeça lá dentro, dei uma olhada, e nada. nenhum barulho. E lá fui eu descendo num passo normal, nem devagar e nem rápido, com o coração batendo rápido, a boca seca, o ouvido atento a qualquer barulho. Mas eu desci a escada inteira e nada. Nenhum barulho. No dia seguinte a mesma coisa. E assim foi por mais uns dias. Depois de quase um mês do ocorrido, já tinha esquecido de tudo, já descia as escadas como se nada tivesse acontecido. Até que um dia lá estava eu descendo a escadaria relaxado desatento e de repente "tof". No que eu ouvi o barulho meu coração disparou, minha boca secou, e um comichão correu pelo meu corpo inteiro. Depois veio outro "tof". Era o mesmo barulho. Parte de mim falou "CORRE DESGRAÇADO! CORRE FEITO VOCÊ NUNCA CORREU NA VIDA!!! CORRE!!!" mas a curiosidade foi maior. A única coisa que eu consegui fazer foi me agarrar no corrimão para não sair correndo. E os outros passos começaram a ficar mais rápidos. No que eles chegaram no lance de cima do que eu estava, do outro lado da parede, o meu coração foi parar na boca. Meu corpo inteiro gelou, não sabia se era o ambiente que estava gelado ou se era só o meu corpo, mas parecia que eu estava num cubo de gelo. A minha respiração parou, e tudo isso só de ouvir o barulho no lance de cima. Eu pensei "é agora, seja o que for vai aparecer agora" e no que o barulho chegou na esquina, tudo apagou. Só me lembro de ter ficado tudo escuro e um silêncio mortal. Eu não via nada, não ouvia nada e o pior é que não sentia nada. Parecia que eu estava dormindo. Mas a minha cabeça estava acordada e eu estava começando a entrar em pânico. Depois de um tempo, eu comecei a sentir o tato de novo, as minhas costas estavam frias, e a minha cabeça doía atrás. Um brilho começou a aparecer bem devagar, só que não era centralizado, parecia vir de todo lugar. Foi quando eu notei o que estava acontecendo. Eu estava deitado na frente da porta, do lado de fora da escada. O frio nas costas era do chão de mármore, a luz no olho era a luz ambiente que o meu olho estava começando a captar de novo, aos poucos. Quando eu consegui, me levantei meio zonzo e sentei num banco que tinha perto. A dor atrás da cabeça era tão forte, parecia que alguém tinha simplesmente me jogado lá, e quando eu caí atingi o chão com a cabeça. Como eu tinha parado lá eu não tinha idéia, só sei que eu estava no segundo andar quando tudo aconteceu. Olhei no relógio e não fazia nem 5 minutos que eu tinha saído do escritório (pra mim pareceu quase uma hora o tempo que eu fiquei apagado). Basta dizer que eu nunca mais desci a escada na hora de ir embora. Um dia eu encontrei o homem da limpeza e ele falou pra mim num tom meio sarcástico: "Eu falei que a escada não era lugar pra você! he he he". Outra coisa estranha foi que eu nunca falei pra ninguém o que tinha acontecido lá, mas ele sabia. Quando eu comecei a tomar o elevador, o pessoal do escritório olhava pra mim com uma cara de "finalmente tomou juízo". Mas eu nunca falei disso com ninguém de lá e ninguém nunca me falou nada sobre aquela escadaria, a não ser o homem da limpeza, e tudo o que ele falou foi o que eu coloquei aqui. Eu nunca cheguei a ver o que era que fazia o barulho, mas o que aconteceu foi o suficiente para matar a minha curiosidade. Agora eu sei o que significa aquela expressão "A curiosidade matou o gato". www.alemdaimaginacao.com Marcos - São Paulo - SP - Brasil Contato: assombracoes@gmail.com

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Oxóssi aprende com Ogun a arte da caça.


Oxóssi é irmão de Ogun. Ogun tem pelo irmão um afeto especial. Num dia em que voltava da batalha, Ogun encontrou o irmão temeroso e sem reação, cercado de inimigos que já tinham destruído quase toda a aldeia e que estavam prestes a atingir sua família e tomar suas terras. Ogun vinha cansado de outra guerra, mas ficou irado e sedento de vingança. Procurou dentro de si mais forças para continuar lutando e partiu na direção dos inimigos. Com sua espada de ferro pelejou até o amanhecer. Quando por fim venceu os invasores, sentou-se com o irmão e o tranqüilizou com sua proteção. Sempre que houvesse necessidade ele iria até seu encontro para auxiliá-lo. Ogun então ensinou Oxóssi a caçar, a abrir caminhos pela floresta e matas cerradas. Oxóssi aprendeu com o irmão a nobre arte da caça, sem a qual a vida é muito mais difícil. Igun ensinou Oxóssi a defender-se por si próprio e ensinou Oxóssi a cuidar da sua gente. Agora Ogun podia voltar tranquilo para a guerra. Ogun fez de Oxóssi o provedor. Oxóssi é o irmão de Ogun. Ogun é o grande guerreiro. Oxóssi é o grande caçador. [Lenda 50 do Livro Mitologia dos Orixás de Reginaldo Prandi]

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Problema sério,


O sujeito vai ao psiquiatra: — Doutor - diz ele -, estou com um problema: Toda vez que estou na cama, acho que tem alguém embaixo. Aí eu vou embaixo da cama e acho que tem alguém em cima. Pra baixo, pra cima, pra baixo, pra cima. Estou ficando maluco! — Deixe-me tratar de você durante dois anos, diz o psiquiatra. Venha três vezes por semana, e eu curo este problema. — E quanto o senhor cobra? - pergunta o paciente. — R$ 120,00 por sessão - responde o psiquiatra. — Bem, eu vou pensar - conclui o sujeito. Passados seis meses, eles se encontram na rua. — Por que você não me procurou mais? - pergunta o psiquiatra. — A 120 paus a consulta, três vezes por semana, durante dois anos, ia ficar caro demais, aí um sujeito num bar me curou por 10 reais. — Ah é? Como? - pergunta o psiquiatra. O sujeito responde: — Por R$ 10,00 ele cortou os pés da cama... Moral da História: Muitas vezes o problema é sério, mas a solução é muito simples. Basta usar o que você tem acima do pescoço para descobrir. Há uma grande diferença entre foco no problema e foco na solução.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

A fábula da perereca,


Numa mata, uma perereca preparava-se para comer uma mosca, quando um macho, que observava a cena, diz: — Perereca, não coma já a mosca! Espere que a abelha a coma, depois tu comes a abelha. Ficaras melhor alimentada. A perereca assim fez e, efetivamente, passados alguns segundos, veio a abelha que comeu a mosca. A Perereca preparou-se, então, para comer a abelha, mas o macho interrompeu novamente. — Perereca, não comas a abelha! Ela vai ficar presa na teia da aranha e a aranha vai comê-la, então tu comes a aranha e ficarás melhor alimentada. A perereca de novo esperou. A abelha levantou voo, caiu na teia da aranha, veio a aranha e comeu-a. A perereca preparou-se para saltar sobre a aranha, mas de novo o macho falou: — Perereca, não sejas precipitada! Há de vir o pássaro que comerá a aranha, que comeu a abelha, que comeu a mosca. Comerás o pássaro e ficarás melhor alimentada. A perereca, reconhecendo os bons conselhos do macho, aguardou. Logo depois, chegou o pássaro que comeu a aranha. Entretanto, começou a chover e a perereca, ao atirar-se sobre o pássaro, escorregou e caiu numa poça d'água. Neste momento, uma cobra que passava por lá, engoliu a perereca e sumiu mata adentro. Moral da História: Isso que dá em ser ganancioso demais. Além disso, quanto mais tempo duram as preliminares, mais molhada fica a perereca. Porém, cuidado! Se não comer, vem outro e come!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...